Sensibilidade ao glúten na ausência de doença celíaca

Atualmente, um crescente problema encontrado na prática clínica é o diagnóstico e o manejo de pacientes que relatam sintomas relacionados a ingestão do glúten na ausência de marcadores específicos para doença celíaca.
O parâmetro de diagnóstico da doença celíaca é a demonstração de atrofia de vilosidades em biópsias duodenais, com sorologia celíaca (anticorpos antiendomísio e antitransglutaminase tecidual) tendo um papel de apoio. No entanto, há pessoas que apresentam sensibilidade ao glúten, isto é, apresentam desordens ou condições morfológicas, imunológicas ou funcionais que respondem à inclusão do glúten na dieta, manifestando algum tipo de reação mesmo com a ausência de marcadores diagnósticos de doença celíaca, como sorologia celíaca negativa e biópsias duodenais normais.
As manifestações clássicas da sensibilidade ao glúten é uma combinação de sintomas similares aos observados na Síndrome do Intestino Irritável (SII) incluindo dor abdominal, flatulência, alterações do hábito intestinal (diarreia ou constipação), e manifestações sistêmicas tais como, confusão mental, cefaleia, cansaço, dores musculares e nas articulações, dermatite, depressão e anemia.
Estas condições podem ser encontradas em pacientes com sensibilidade ao glúten, que respondem favoravelmente à retirada do glúten da dieta.
Entretanto, o número cada vez maior de pessoas em todo o mundo que estão retirando o glúten da dieta sem evidência de doença celíaca, alergia do trigo ou sensibilidade ao glúten tem contribuído para restrições alimentares desnecessárias.
 O glúten é a principal proteína presente no trigo, centeio, cevada e aveia, cereais amplamente utilizados da composição de alimentos, estando presente em alimentos como pão, macarrão, biscoitos, bolos, mingaus, entre outros. No entanto, a exclusão destes alimentos e de outros que contém em sua composição o glúten deve ser feito somente sob diagnóstico clínico confirmado de doença celíaca, de dermatite herpetiforme, de alergia ao glúten, ou quando, eliminada a hipótese de doença celíaca, haja diagnóstico clínico confirmado de sensibilidade ao glúten (também denominada como intolerância ao glúten–não celíaca). Caso contrário, a exclusão destes alimentos sem evidências não é indicada.
Priscila Alves Gouveia
Estagiária de Nutrição
Silvia Ramos
Nutricionista

 

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *