Saúde Intestinal da Mulher | Estudo SIM Brasil

 

O SIM Brasil, desenvolveu um estudo com relação à Saúde Intestinal da Mulher, com o objetivo de mapear, caracterizar e quantificar a diversidade de problemas intestinais na população feminina brasileira, identificar e dimensionar os impactos na qualidade de vida e no dia a dia dessa população e também interpretar e compreender o cotidiano e comportamento diante dos problemas intestinais.
Com abordagem inédita no País, também descreveu os episódios desses problemas, considerando as causas, consequências, impacto na qualidade de vida e as soluções comumente empregadas pelas mulheres.
O estudo foi desenvolvido em três fases usando uma metodologia desenvolvida especificamente para o Estudo SIM Brasil.
Na primeira fase, as voluntárias registraram por escrito, durante 15 dias, todas as questões relacionadas à própria saúde intestinal. Em seguida, as mulheres passaram por longas entrevistas individuais com psicólogos, para permitir aos especialistas extrair e compreender de maneira mais ampla as informações e relações das pacientes com um assunto tão íntimo e complexo.
Com base nesses relatos, foi desenvolvido um questionário para ser usado na fase quantitativa da pesquisa. Para a segunda etapa, foram abordadas 3.029 mulheres de nove capitais brasileiras e do Distrito Federal. Pertencentes às classes A, B e C e idades de 18 a 60 anos. Os problemas intestinais foram mapeados e classificados em diferentes agrupamentos de sintomas. O impacto na qualidade de vida e as soluções encontradas para lidar com os problemas também foram identificados e catalogados.
Nesta fase, foi possível concluir que duas em cada três brasileiras declaram ter algum problema intestinal.
A terceira fase do trabalho, contou com a colaboração de seis médicos, bem como suas equipes, em seus centros de pesquisa e hospitais, com cerca de 500 mulheres de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador e Recife. Nesta fase, elas procuraram espontaneamente o médico por conta de queixas intestinais, tendo como objetivo relacionar os sintomas e preocupações descritos com doenças e, com isso, oferecer um diagnóstico do problema.
Com o estudo foi possível concluir que os problemas mais comuns são:
– Gases (57%)
– Inchaço (56%)
– Sensação de peso (46%)
– Prisão de ventre (26%)
As causas mais comuns relacionadas foram:
– Má alimentação (77%)
– Estresse/aborrecimento (61%)
– Sedentarismo (45%)
– Cansaço/falta de tempo (52%)
– Ficar sentado por longos períodos (40%).
Para as mulheres que se queixavam de problemas com o trânsito intestinal, os principais impactos em sua qualidade de vida foram:
– Alterações no humor (89%)
– Falta de concentração (88%)
– Impacto na vida sexual (79%).

 

Com isto, o estudo constatou que a relação entre hábitos alimentares e estilo de vida, podem trazer impactos diretos no funcionamento do intestino. E que os problemas intestinais, podem afetar dramaticamente a qualidade de vida das mulheres.
Referência: http://estudosimbrasil.com.br/

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *