Opiniões dos consumidores sobre a mudança na rotulagem

Por Luiza Thimoteo Cabral e Silvia Ramos

 

    A transição nutricional fez o consumo de alimentos ultra processados crescer muito nos últimos anos, sendo uma das causas para o aumento das doenças crônicas não transmissíveis, incluindo a obesidade que teve crescimento nos últimos anos em adultos e crianças. O consumo desses alimentos com grandes quantidades de sódio, açúcares, gorduras totais e saturadas e ácidos graxos trans, aumentou devido a praticidade e baixo preço, principalmente entre famílias de baixa renda.

   A mudança na rotulagem é importante para deixar as informações nutricionais mais claras e de maneira que a população leiga entenda do que se compõe o produto, a expectativa é que com a nova regulamentação da rotulagem aumente a conscientização da população para reduzir o consumo desses produtos e consequentemente, façam escolhas mais saudáveis.

   Por isso, para a implementação da nova lei a opinião dos consumidores é de suma importância. Foi feito um estudo em que participaram 96 pessoas de ambos os sexos, que foram conduzidas em 12 grupos focais entre uma amostra diversificada de consumidores adultos, entre 20 e 50 anos de idade e situações socioeconômicas diferentes, nas cidades brasileiras de São Paulo, Goiânia, Porto Alegre e Recife.

   Foram avaliados fatores como uso e percepções sobre o rótulo atual de alimentos e opiniões sobre a implantação de um rótulo com alertas na parte frontal do pacote para orientar as compras de alimentos. A dificuldade mais citada pelos participantes foram as letras pequenas das informações nutricionais, seguindo dos termos técnicos e necessidade de fazer cálculo.

   A influência percebida no comportamento de consumo, variou entre parar de comer e continuar comendo, porém, a resposta mais frequente foi continuar consumindo, mas reduzir a quantidade. Em relação ao comportamento dos pais, se obteve respostas divergentes entre homens e mulheres, sendo que as mulheres reduziriam o consumo por seus filhos, e os homens parariam de consumir ou continuariam sem alteração na quantidade, pois seus filhos se interessam mais por esses produtos.

   Os resultados do estudo demonstram que a mudança na rotulagem dos produtos com avisos frontais, seria benéfico para apoiar a autonomia dos consumidores em fazer suas escolhas alimentares mais saudáveis.

   E as principais sugestões para adequar os rótulos seriam utilizar uma linguagem mais popular e letras maiores para assim auxiliar na hora de fazer a melhor escolha entre os produtos. A mudança nos rótulos dos produtos alimentícios no Brasil está sendo avaliada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que atualmente analisa duas propostas.

Referência

SATO, Priscila de Morais et al. Consumers’ opinions on warning labels on food packages: A qualitative study in Brazil. Disponível em: https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0218813

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *