Nutrição e estética

  Viver com saúde e boa forma é uma das preocupações que perpassa todos os segmentos da sociedade brasileira, principalmente o do público feminino.
  A preocupação com o corpo saudável, e acima de tudo bonito atravessa contemporaneamente, os diferentes gêneros, faixas etárias e classes sociais. Em relação a alimentação humana, podemos afirmar que ela envolve aspectos psicológicos, fisiológicos e socioculturais.
  O alto consumo energético e falhas no metabolismo levam à obesidade e à deficiência de nutrientes, que afetam mais de dois bilhões de pessoas mundialmente. Isto ocorre porque há um consumo cada vez maior de alimentos industrializados. Muitos nutricionistas para promover práticas alimentares saudáveis, visam orientações à população por meio de formação de hábitos diários relacionando a alimentação e a atividade física, pois elas atuam diretamente na prevenção das doenças crônicas não transmissíveis, uma vida mais saudável e a busca por ideais, como por exemplo, o “corpo perfeito”.
  Para a ciência da nutrição não devemos privar os indivíduos de comer aquilo que se gosta, pois sabemos que o ato de comer também é um ato de prazer. Considerando que a proibição não é o melhor caminho, pois a pessoa se sentirá frustrada e, por conseguinte, abandonará a dieta, o ideal é escolher junto ao cliente os alimentos que mais lhe apetecem e encontrar formas ou técnicas de preparo que os tornem mais saborosos e nutritivos.
  Uma alimentação equilibrada quantitativa e qualitativamente, aliada a prática esportiva, garante o trabalho metabólico normal, que conduz o indivíduo a atingir e a manter seu peso ideal ou a buscar pelo corpo idealizado. A alimentação saudável e equilibrada dispensa o uso de medicamentos, de dietas milagrosas ou de cirurgias plásticas para conquistar o padrão de beleza desejado.
  A procura por aconselhamento nutricional tem aumentado muito nos últimos anos, já que é comprovado que uma boa alimentação pode evitar uma série de doenças, além de trazer inúmeros benefícios a nossa saúde, e uma melhor qualidade de vida.
 

 

Referência: http://www.scielosp.org/pdf/csc/v16n9/a27v16n9.pdf

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *