Nutrição Comportamental

Os temas de Nutrição e Alimentação têm ganhado bastante visibilidade nos dias de hoje. E embora as informações estejam mais acessíveis, e a ciência, em constante evolução, a visão dicotômica do alimento “saudável” e “não saudável” persiste tanto na visão dos profissionais quanto dos pacientes(1)

Com o crescimento das mídias sociais e acesso facilitado à alimentos e dietas, as pessoas passaram a enxergar a comida como uma grande inimiga. E com isso, tem crescido o número de indivíduos com problemas emocionais, fisiológicos e sociais ao se alimentar. Pensando em uma nutrição mais ampla e humanizada, surge a aplicação de práticas comportamentais aplicadas à nutrição, mudando essa relação com a comida, fazendo com que as pessoas sintam prazer (e não culpa) ao comer. As práticas comportamentais usadas hoje, tem como base a teoria cognitiva comportamental (TCC) estudada por Aron Beck desde a década de 60.

A aplicação da TCC na mudança do comportamento alimentar envolve estratégias de aconselhamento nutricional, técnicas do comer intuitivo, terapia cognitivo-comportamental, entrevista motivacional e táticas para comer com atenção plena. Todos destinados para a construção de hábitos alimentares saudáveis, levando em consideração o alimento como um todo. (2)

Um estudo feito com 119 pessoas, mostrou que 41,7% delas afirmou ter feito alguma dieta da moda e 34% restringiu sua alimentação durante o período de realização da dieta; 30% das participantes não mantiveram seu peso após o término da dieta feita; e 75% acredita que as mídias sociais influenciam seus adeptos a almejarem um corpo perfeito. (3)

O padrão de beleza de corpo magro é veiculado a mensagens de sucesso, controle, aceitação e felicidade. Assim, mulheres acreditam que sendo magras, poderão alcançar todos os seus objetivos, sendo a perda de peso a solução para todos os seus problemas. Entretanto, este padrão imposto como o ideal não respeita os diversos biótipos existentes e induz mulheres a se sentirem feias e a desejarem o emagrecimento. (4)
Outro estudo de caráter quanti-qualitativo, coletou dados em uma população atendida no ambulatório de especialidades em nutrição, composta por 40 pacientes que responderam ao questionário proposto. O grupo de pacientes que responderam não ter realizado dietas da moda foi constituído por 29 pacientes (72,5%), enquanto que o grupo dos que relataram já ter realizado dietas da moda foi composto por 11 pacientes (27,5%). Das dietas da moda, a dieta da sopa foi a mais frequente entre os entrevistados, seguida pelas dietas de revistas. Novamente o caráter restritivo foi apontado como de maior frequência. (5)

Nota-se que as dietas da moda funcionam por período limitado. No entanto, contribuem para a distorção da imagem corporal dos praticantes, além da frustação gerada pela não sustentação do resultado. As ferramentas da nutrição comportamental são estratégias interessantes para construção de uma nova filosofia de vida, livre de restrições, focada no autoconhecimento. A busca por um profissional especializado na área é fundamental para que o mesmo adeque as particularidades de cada indivíduo, não acentuando possíveis gatilhos para o desenvolvimento de transtornos alimentares.

Fontes:
(1) DERAM, S. O Peso das Dietas. São Paulo, Sensus, 2015.

(2) Vale AMO, Elias LR. Transtornos alimentares: uma perspectiva analítico-comportamental. Rev Bras Ter Comport Cogn, 2011; 13(1): 52-72.

(3) TRETTO, B. Marieli et al. DIETAS DA MODA VERSUS DISTÚRBIOS ALIMENTARES. V Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG III Salão de Extensão, 2017.

(4) WITT, J. D. S. G. Z.; SCHNEIDER, A.P. Nutrição Estética: valorização do corpo e da beleza através do cuidado nutricional. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.16, n. 9, p. 3909-3916, 2011.

(5) BETONI, F.; ZANARDO, V. P. S.; CENI, G. C. Avaliação de utilização de dietas da moda por pacientes de um ambulatório de especialidades em nutrição e suas implicações no metabolismo. ConScientiae Saúde, v. 9, n. 3, p. 430-440, 2010.

Adriana Loiola

Estagiária em Nutrição

Silvia Ramos

Nutricionista- CRN3/10908

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *