Modelos teóricos em comportamento como ferramenta para educação nutricional em pacientes diabéticos

   O comportamento alimentar ocupa atualmente um papel central na prevenção e no tratamento de doenças. A alimentação, ao mesmo tempo em que é importante para o crescimento e desenvolvimento, pode também representar um dos principais fatores de prevenção de algumas doenças na fase adulta.
   A utilização de modelos teóricos em saúde tem sido cada vez mais usada para   auxiliar profissionais e pacientes a entender as fases do comportamento e gerar  aconselhamentos prática para cada  uma das fases.
   O modelo mais utilizado  em saúde é o Modelo Transteórico (MT)  proposto por James O. Prochaska e Carlo Diclemente  na década de 80. À  principio foi colocado como instrumento de auxílio à compreensão da mudança comportamental relacionada à saúde.
  Os estágios de mudança representam o tempo, ou seja, representa quando ocorre a modificação de comportamento. Cada estágio de mudança está relacionado a uma fase com motivação e percepção diferentes frente à possibilidade de realizar mudanças no comportamento alimentar.
Principais características de cada estágio de mudança de comportamento:


 


  • Pré-contemplação – O indivíduo não tem a intenção de mudar nos próximos seis meses. Encontra-se desmotivado e bastante resistentes às orientações.
  • Contemplação – O indivíduo esta ciente que o problema existe, e há intenção de mudanças nos próximos seis meses. No entanto, há uma ambivalência quanto à perspectiva de mudanças.
  • Preparação – O indivíduo tem intenções de realizar mudanças no próximo mês, e já se podem observar pequenas mudanças comportamentais.
  • Ação – O indivíduo tem modificado seu comportamento num período inferior de seis meses e superou de alguma forma as barreiras antes percebidas.
  • Manutenção – O indivíduo se esforça  para prevenir recaídas e consolidar o comportamento saudável.
Alguns estudos  tem abordado a utilização  do modelo em diabetes, o que tem trazido  resultados promissores ao  tratamento de  forma global e ao aconselhamento nutricional.

Resumo do artigo elaborado por Dra. Silvia Ramos
Nutricionista
Doutora em ciências UNIFESP
Especialista em Saúde Pública FSP/USP
Especialista em Nutrição Materno Infantil EPM/UNIFESP
Membro do Núcleo de Nutrição e Saúde Cariovascular do DA/SBC
Membro do Departamento de Nutrição e Metabolismo da SBD
Diretora do IMeN Educação

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *