Mecanismo de Fome e Saciedade: Como o Mindfulness pode ajudar nesse processo?

Por Paula Amorim e Silvia Ramos

A regulação neuroendócrina do consumo alimentar é complexa e envolve a recepção de impulsos pelo cérebro e de alguns hormônios gastrointestinais como grelina e leptina.

O consumo de alimentar desencadeia uma série de sinais neurais e hormonais que regulam a ingestão de alimentos de acordo com os requisitos de energia. Em resposta à isso, o organismo libera hormônios que, em última análise, sinalizam a interrupção da alimentação, ou seja, saciação.

Após a ingestão, os carboidratos, por exemplo, são digeridos em monossacarídeos, como a glicose, resultando em um aumento nos níveis de glicose no sangue (resposta glicêmica). De maneira geral, existe uma associação positiva entre resposta glicêmica e saciedade. O aumento dos níveis de glicose no sangue e a liberação de insulina sinalizam imediatamente os centros de regulação do apetite no sistema nervoso central para suprimir o apetite e a ingestão de alimentos. O esquema abaixo mostra como acontece a saciação e saciedade:

blog fome

Fonte: https://sugar.ca/Sugars-and-Health/Appetite-and-Food-Intake.aspx (Acesso em 20/02/2020).

Alguns dos motivos que levam uma pessoa a comer além das suas necessidades, é a falta de percepção de fome, da saciedade e o comer emocional. O comportamento alimentar em maior parte é guiado por fatores externos (ambiente, pressão social, disponibilidade) do que por fatores internos (fome fisiológica). A adesão à  mudança de hábito alimentar aliado a facilidade de acesso a alimentos hipercalóricos, altamente palatáveis talvez seja uma das maiores dificuldades das pessoas.

A última edição da Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL), divulgada no final de julho de 2019, pelo Ministério da Saúde, mostrou que mais da metade dos entrevistados (55,7%) estão com excesso de peso. E a porcentagem de pessoas obesas cresceu de 11,8%, em 2006, para 19,8% em 2018. Logo, a obesidade está cada vez mais prevalente e, a busca por tratamentos eficazes tem sido cada vez maior.

A prática do mindfulness (ou atenção plena) é amplamente utilizada em diversas áreas com objetivos distintos. Kabat-Zinn (2003), definiu Mindfulness como a “consciência que emerge através de prestar atenção, com propósito, e sem julgamento, do desenrolar da experiência no momento presente, de momento a momento”.

Na área clínica existem dados científicos que apoiam o uso do treinamento mindfulness como tratamento coadjuvante em diversas doenças e transtornos. O mindfulness pode auxiliar  pacientes promovendo a conscientização sobre sinais de fome e saciedade, controle auto-regulatório e redução do estresse.

Estudo publicado no Journal of Medicine and Life em 2015, teve como objetivo investigar a efetividade da prática de mindfulness e do controle alimentar na perda de peso em obesos. Foram aplicadas 8 sessões com foco meditativo de mindfulness, treinando a respiração e o relaxamento. Um dos objetivos foi a maior consciência de si mesmo e do ambiente que está inserido para controle de suas emoções. Os indivíduos tinham IMC > 30kg/m² e foram divididos em quatro grupos que receberam:

  • somente dieta
  • somente treinamento de mindfulness
  • dieta combinada com o treinamento mindfulness
  • nenhuma intervenção (controle)

O grupo com a dieta, o mindfulness e o que associou a combinação de ambos levaram a perda significativa de peso comparado aos seus respectivos fatores. Sendo maior o tamanho de efeito quando estas duas estratégias são combinadas. Porém, depois de 2 meses de intervenção os participantes que fizeram apenas dieta tiveram reganho de peso significativo. Àqueles  que fizeram a combinação das intervenções mantiveram o peso 2 meses depois, demonstrando que a combinação teve durabilidade, mesmo que  pequena, na perda de peso.

 

Referências Bibliográficas:

Asadollahi T, Khakpour S, Ahmadi F, et al. Effectiveness of mindfulness training and dietary regime on weight loss in obese people. J Med Life. 2015;8(4):114-124.

Stanszus LS, Frank P, Geiger SM. Healthy eating and sustainable nutrition through mindfulness? Mixed method results of a controlled intervention study. Appetite. 2019;141(June):104325. doi:10.1016/j.appet.2019.104325

Hanson P, Shuttlewood E, Halder L, et al. Application of Mindfulness in a Tier 3 Obesity Service Improves Eating Behavior and Facilitates Successful Weight Loss. J Clin Endocrinol Metab. 2019;104(3):793-800. doi:10.1210/jc.2018-00578

Mason AE, Epel ES, Aschbacher K, et al. Reduced Reward-driven Eating Accounts for the Impact of a Mindfulness-Based Diet and Exercise Intervention on Weight Loss: Data from the SHINE Randomized Controlled Trial Ashley. Appetite. 2016;100:86-93. doi:10.1016/j.appet.2016.02.009

Kabat-Zinn, J. (2003). Mindfulness-based interventions in context: Past, present, and futureClinical Psychology: Science and Practice, 10, 144-156. Doi: 10.1093/clipsy.bpg016

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *