Jejum Intermitente no tratamento da Obesidade

Por Paula Amorim e Silvia Ramos

A prevalência de excesso de peso e obesidade está aumentando em um ritmo alarmante mundialmente. Esse aumento tem origem nas mudanças comportamentais ocorridas nas últimas décadas, sobretudo devido à alimentação inadequada e ao sedentarismo.

Cada vez mais o tratamento da obesidade é um desafio. À medida que as taxas de obesidade elevam-se, aumenta o foco das intervenções alimentares, e as mais utilizadas são dietas com restrição calórica, que levam a perda de peso muitas vezes insustentável.

Jejum intermitente refere-se a períodos regulares com ingestão calórica inexistente ou muito limitada. Comumente consiste em um jejum diário por 16 horas, um jejum de 24 horas em dias, ou um jejum de 2 dias por semana em dias não consecutivos. Durante o jejum, o consumo calórico geralmente varia de 0 a 25% das necessidades calóricas. Consumo sem jejum pode ser ad libitum (à vontade), restrito a uma certa dieta, ou visando atingir uma ingestão calórica específica de até a 125% das necessidades calóricas regulares. Jejum intermitente pode ser usado com consumo irrestrito quando não ou em conjunto com outras intervenções dietéticas.

Abaixo tem-se os tipos de jejum:

  • Restrição calórica: é a redução da ingestão de quilocalorias (kcal) em uma certa porcentagem (geralmente 20 – 40%) do consumo ad libitum (à vontade).
  • Jejuns em dias alternados: consiste em períodos alternados de 24 horas: durante o “período de festa”, os jejuns podem consumir alimentos a vontade; durante o “período de jejum”, o consumo de alimentos é restrito ou interrompido por completo.
  • Restrição alimentar: é uma redução de um ou mais componentes da ingestão alimentar (normalmente macronutrientes), com redução mínima a nenhuma na ingestão total de kcal.

Um estudo publicado pelo periódico Canadian Family Physician no mês de fevereiro de 2020 teve como objetivo examinar as evidências do jejum no tratamento da obesidade.

Dentre a análise, 27 estudos mostraram que o jejum intermitente promoveu perda de peso de 0,8% a 13,0% sem eventos adversos graves. Doze estudos compararam resultados equivalentes entre o jejum intermitente com dietas com restrição calórica. E 5 estudos que incluíram pacientes com diabetes tipo 2 documentou controle glicêmico aprimorado. A heterogeneidade na evidência atual limita a comparação do jejum intermitente com outras estratégias de perda de peso.

O estudo conclui que o jejum intermitente mostra-se promissor como uma intervenção de atenção primária à obesidade, mas pouco se sabe sobre os efeitos da sustentabilidade e da saúde a longo prazo. Estudos de duração mais longa são necessários para entender como o jejum intermitente pode contribuir para estratégias eficazes de perda de peso.

Referências Bibliográficas:

WELTON, Stephanie; MINTY, Robert; O’DRISCOLL, Teresa; WILLMS, Hannah; POIRIER, Denise; MADDEN, Sharen; KELLY, Len. Intermittent fasting and weight loss. Canadian Family Physician, Canadá, v. 66, n. 2, p. 117-125, 28 maio 2020.

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *