Insatisfação corporal, nível de atividade física e comportamento sedentário em adolescentes do sexo feminino

A imagem corporal é definida pela percepção ou sensação de um indivíduo em relação ao seu próprio tamanho, peso, aparência e silhueta. Essa percepção avalia os aspectos cognitivos, emocionais e comportamentais, além da insatisfação em relação ao corpo. Na adolescência transições físicas e psicológicas muitas vezes geram estilo de vida sedentário, aumento da ingestão de alimentos e acumulo de gordura corporal, sendo este acúmulo, uma das principais queixas relacionadas à imagem corporal.

Neste estudo de Miranda e cols. com 120 adolescentes do sexo feminino, de 14 a 19 anos, de Viçosa, MG foi avaliado a imagem corporal por meio da Escala de Silhuetas e pelo questionário Body Shape Questionnaire (BSQ). A estatura, peso e o perímetro da cintura foram aferidos, avaliando-se a relação cintura/estatura e a gordura corporal. Já o nível de atividade física (NAF) foi avaliado pelo Recordatório de Atividade Física de 24h (R24h). O comportamento sedentário, foi avaliado pelo tempo em frente à tela da TV, no videogame, ao computador, tablets e na tela do celular, individualmente. Por fim, foram mostrados cartões com imagens, da silhueta mais magra à mais gorda. Com isso, as participantes selecionavam cartão que representava a silhueta atual (SA) e, depois o que representava a silhueta considerada ideal (SI). Assim, foi avaliada a satisfação corporal pela diferença entre SA e SI.

Os resultados da avaliação em relação a composição corporal, identificou 77,6% das adolescentes com peso normal e 20,7% com sobrepeso e obesidade. A proporção de meninas com percentual de gordura adequado foi de 53,3% e de percentual de gordura alta foi de 46,7%. Pelo NAF observou que 84,2% das adolescentes eram “sedentárias” ou com “baixo NAF”. Na relação cintura/estatura (RCE), 66,4% dos resultados foram considerados adequados, 21,2% baixos, 10,6% altos e 1,9% muito altos. O comportamento sedentário foi considerado alto em mais da metade da amostra.

Quanto à avaliação da imagem corporal, 49 (40,83%) adolescentes apresentaram algum grau de insatisfação corporal, com 22 (14,3%), 20 (19,8%) e 7 (6,9%) apresentando insatisfação leve, moderada e grave, respectivamente. Posteriormente foi avaliada a escala de silhuetas, com 65 (50,2%) meninas estavam satisfeitas e 55 (49,8%) insatisfeitas com suas imagens corporais. Entre as insatisfeitas, 29,4% queriam ter uma silhueta mais magra, enquanto 20% desejavam uma silhueta maior em relação ao seu status atual.

A insatisfação corporal avaliada pelo BSQ, se associou ao excesso de peso e à obesidade e, quando avaliada por meio da escala de silhuetas, com alto perímetro da cintura e RCE. As medidas da composição corporal, assim como o comportamento sedentário e o NAF, se associaram à insatisfação corporal. As adolescentes mais ativas e as que apresentaram TT(Esporte) alto tiveram maior insatisfação corporal, mas quase metade da amostra mostrou ter alguma insatisfação com o próprio peso e imagem.

Os autores concluem que medidas da composição corporal maiores foram associadas à insatisfação corporal.  Adolescentes do sexo feminino são consideradas grupo de risco para o desenvolvimento de distúrbios da imagem corporal e alimentares. É importante que haja medidas educativas e preventivas para promoção do desenvolvimento fisiológico e psicológico saudável dessa população e, ainda que crenças sobre imagem corporal sejam quebradas.

Por

Leticia de Lima Silva

Estagiária de Nutrição e Marketing

Dra. Silvia Ramos

Nutricionista

CRN3: 10908

REFERÊNCIA: 

MIRANDA, Valter Paulo Neves; MORAIS, Núbia Sousa de; FARIA, Eliane Rodrigues de; AMORIM, Paulo Roberto dos Santos; MARINS, João Carlos Bouzas; FRANCESCHINI, Sylvia do Carmo Castro; TEIXEIRA, Paula Costa; PRIORE, Silvia Eloiza. Insatisfação corporal, nível de atividade física e comportamento sedentário em adolescentes do sexo feminino. 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822018000400482&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 14 fev. 2019.

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *