Ingestão de ômega 3 (PUFA) durante a gravidez x doenças alérgicas em crianças – Revisão Sistemática e meta análise de estudos observacionais e randomizados

 
 
Há algumas evidências de que o aumento da ingestão materna de omega-3 (n-3) de cadeia longa (LC-PUFA) durante a gravidez pode reduzir a incidência de imunoglobulina E (IgE) mediada por doença alérgica em crianças.
O objetivo do estudo foi avaliar o consumo pré-natal n-3 LC-PUFA em diferentes tipos de estudos clínicos randomizados e seus resultados de doenças alérgicas mediadas por IgE.
Foram conduzidas pesquisas da Cochrane Central Register de Ensaios Controlados, PubMed, Ovid MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Scopus e Web of Science. Foram incluídos estudos prospectivos de coorte que mostraram uma associação entre ingestão materna de peixes ou suplementação n-3 ingestão de LC-PUFA durante a gravidez. As intervenções com ômega 3 pré-natal enfocaram os resultados de doença alérgica como: (eczema, rino-conjuntivite, asma) ou sensibilização do RN ao LC-PUFA.
Um total de 13 publicações foram incluídos. Três ensaios clínicos randomizados foram combinados em uma meta-análise para os resultados selecionados. Nove das 13 publicações de estudos observacionais e 5 de 7 publicações de ensaios clínicos randomizados encontraram uma associação protetora entre o aumento do pré-natal n-3 LC-PUFA ou ingestão de peixe e incidência de sintomas de doenças alérgicas na criança.  A Meta-análise foi limitada devido á a heterogeneidade dos ensaios clínicos randomizados. Resultado combinados mostraram uma redução significativa na incidência de “eczema atópico,” “qualquer SPT positivo [teste cutâneo]”, “sensibilização ao ovo,” e “sensibilização a qualquer alimento” nos primeiros 12 meses de vida [RRS (95% CI): 0,53 (0,35, 0,81), P = 0,004; 0,68 (0,52-0,89), P = 0,006; 0,55 (0,39-0,76), P = 0,0004; e 0,59 (0,46, 0,76), P <0,0001, respectivamente].
Esta revisão sistemática e meta-análise sugere benefícios do aumento da n-3 LC-PUFAs na dieta materna e resultados de doença alérgica na infância. No entanto, devido à inconsistência no resultado, a hipótese de que liga a ingestão materna n-3 LC-PUFA versus doença alérgica na infância pode não ser inequivocamente confirmada ou rejeitada.



Fonte: Am J Clin Nutr 2016 103: 1 128-143 

Disponível em: http://ajcn.nutrition.org/content/103/1/128.full.pdf+html

 

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *