Dieta fodmaps na Síndrome do Intestino Irritável: Interação com Microbiota Intestinal e Hormônios Intestinais

Por Luiza Thimoteo Cabral e  Silvia Ramos

    Segundo a World Gastroenteroloy Organisation (WGO), a Síndrome Intestino Irritável (SII) é definida como um distúrbio intestinal, com presença de desconforto abdominal, que levam a sintomas de alerta segundo Roma IV, como dor, gases, distensão e alteração no trânsito intestinal, cursando com constipação e/ou diarreia.

    No presente estudo, os portadores da síndrome podem ser classificados em subtipos de acordo com padrões de fezes: SII-D são pacientes predominantemente com diarreia, SII-C são predominantemente com obstipação, SII-M são com diarreia mista e obstipação e SII-U incluem os pacientes que cumprem os critérios diagnósticos para SII, mas cujos hábitos intestinais não podem ser categorizados com precisão.

    Os episódios de pacientes com a síndrome podem ser divididos em dois subgrupos: esporádico e pós-infeccioso. A síndrome esporádica são pacientes que tiveram sintomas por um longo tempo sem nenhum evento relacionado e pós-infeccioso acomete indivíduos saudáveis, com sintomas repentinos. Os fatores que podem ser a causa da síndrome são a genética, a dieta, a microbiota intestinal, as células endócrinas do intestino e a inflamação de baixo grau, porém não há estudos que comprovem.

    Os alimentos como leite e produtos lácteos, produtos de trigo, repolho, cebola, feijão, temperos quentes e frituras são relatados pelos pacientes por desencadear os sintomas. Segundo The British Dietetic Association a cafeína, o álcool e os condimentos também podem desencadear, porém até o momento não há estudos que comprovem essa relação. A dieta com baixo teor de FODMAPS é atualmente a mais indicada para amenizar os sintomas, pois os são alimentos classificados comooligossacarídeos, dissacarídeos, monossacarídeos e polióis fermentáveis que não são digeridos pelo intestino e são fermentados, devido ao pequeno peso molecular causa a alta osmolaridade, resultando em gases e outros sintomas. Apesar de ser a mais indicada, não é recomendável seguir essa dieta por um longo período por causar deficiências de vitaminas, minerais e antioxidantes naturais.

    A dieta com baixo teor de FODMAPS quando feita por longo período, afeta negativamente a microbiota intestinal do indivíduo. A composição da microbiota é influenciada por muitos fatores como a genética, a dieta, a frequência do tratamento com antibióticos, o tratamento com certos medicamentos não-antibióticos, tabagismo e a depressão, entre outros.

    A microbiota intestinal possui uma gama de espécies de microrganismo, sendo que em um indivíduo saudável as bactérias dominantes são as Firmicutes e Bacteriodetes, quando comparados aos indivíduos com a síndrome que apresentam mais bactérias pertencentes a Proteobacteria, Veillonella e Firmicutes, tais como Lactobacillus e Ruminococcus e uma diminuição de Bifidobacterium, Faecalibacterium, Erysipelotrichaceae e metanogênico (bactérias produtoras de metano). Os pacientes apresentam uma baixa diversidade de bactérias na microbiota caracterizada disbiose.

    Os hormônios intestinais que serão secretados variam de acordo com o conteúdo do intestino, conforme as proporções de carboidratos, proteínas e gorduras, são secretados pelas células endócrinas, localizadas no estômago, intestino delgado e grosso. Além de interagir com outros sistemas, os hormônios regulam funções do trato gastrointestinal incluindo sensação visceral, motilidade, secreção, absorção, defesa imunológica local, proliferação celular e o apetite.

   Os indivíduos com a síndrome, possuem uma diminuição na densidade de células endócrinas comparados a indivíduos saudáveis, devido aos subprodutos da fermentação dos alimentos que são consumidos, que agem nas células-tronco do intestino reduzindo-as, causando baixa densidade que origina à dismotilidade intestinal, hipersensibilidade visceral e secreção anormal do intestino.

    A alimentação exerce um papel importante na fisiopatologia da Síndrome do Intestino Irritável, o efeito da dieta com baixo teor de FODMAPS apresenta benefícios e malefícios, requer acompanhamento para realizar o manejo correto durante a dieta para amenizar os sintomas, melhorando assim, a qualidade de vida do paciente.

Referência:

EL-SALHY, Magdy; HATLEBAKK, Jan Gunnar; HAUSKEN, Trygve. Diet in Irritable Bowel Syndrome (IBS): Interaction with Gut Microbiota and Gut Hormones. Disponível em: https://www.mdpi.com/2072-6643/11/8/1824/htm

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *