Como os brinquedos influenciam no desenvolvimento de transtornos alimentares em crianças

Por Anna Gomes e Silvia Ramos

O aparecimento de transtorno alimentar (TA) ocorre mais comumente na adolescência, porém atualmente profissionais de saúde vem notando uma maior ocorrência destes transtornos em crianças. Desta forma, é possível identificar diversos fatores da sociedade moderna que podem influenciar diretamente no aparecimento deste quadro.

A influência do padrão de beleza na sociedade é altamente disseminada, sendo assim as pessoas buscam alcançar estes padrões que muitas vezes são inalcançáveis, o que acaba gerando frustrações e insatisfação com o próprio corpo. O artigo em questão realizou uma revisão bibliográfica, buscando identificar a influência dos brinquedos no desenvolvimento de TA em crianças.

Anorexia nervosa e bulimia são os TA mais comuns a esta faixa etária, de acordo com o DSM-5, estes transtornos são uma perturbação na alimentação ou comportamento alimentar inadequados que acaba acarretando em um prejuízo da saúde física e psicossocial. Anorexia e Bulimia apresentam uma etiologia comum que corresponde ao medo excessivo de ganhar peso, porém diferem-se nas práticas realizadas. 

Um artigo citado pelo artigo aponta que 45% das crianças estudadas, de ambos os sexos, sentem a necessidade de serem mais magras, sendo que destas 37% utilizam de métodos conhecidos para a perda de peso. É extremamente necessário atentar-se a estes valores, pois destas crianças uma porção pode desenvolver transtornos alimentares, sendo que qualquer modificação no ambiente em que está envolvida pode aumentar ainda mais essa possibilidade.

A infância é o período onde ocorrem alterações físicas e psicológicas importantes, tendo um autoconhecimento e formação de hábitos e crenças dos indivíduos. O autoconceito ocorre no período da segunda infância, 3 a 6 anos, é onde acontece o desenvolvimento da identidade da pessoa, porém a mente não consegue distinguir claramente a imagem real do ideal.

Desta forma, o autoconceito pode ser afetado por brinquedos com a aparência exageradamente magra, modelos na televisão, fotografia em revistas e até mesmo a fala dos pais. Desde cedo as meninas são expostas a bonecas que apresentam uma magreza extrema com proporções irreais, como o caso da Barbie, sendo esta a boneca mais vendida em todo o mundo. Os meninos por sua vez possuem brinquedos que enaltecem os músculos e a força que um homem precisa ter.

Além do fato do brinquedo ser um modelo do ideal, existe a junção das imagens disseminadas pelas mídias e as afirmações dentro de casa, colocando a magreza como algo extremamente bom e a gordura como o vilão, internamente na cabeça da criança se ela adquirir gordura ela será má.

Por fim os autores concluem que brincar é algo extremamente ideal para as crianças, com isso acabar com a aquisição de brinquedos não é a solução. É necessário que os valores sejam estabelecidos dentro de casa, com os pais ou responsáveis atentos e mentores ativos desta formação de autoconceito. Além disso, identificar os sinais de um transtorno para intervir precocemente é extremamente importante, sendo que desta forma a criança e a família passam por um tratamento psicológico a fim de entender a realidade e alterar o quadro.

Referência

SOARIN, Jordana dos Santos; DEMARCO, Taisa Trombetta. A influência dos brinquedos nos transtornos alimentares. Anuário pesquisa e extensão UNOESC Videira, 2018. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/apeuv/article/view/19906/10571

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *