Aplicação do SCAR-F na classificação e diagnóstico da sarcopenia em idosos

Por Marina Barbon Gonzalez e Silvia Ramos (Nutricionista CRN3-10908)

Conhecida como uma síndrome multifatorial que afeta principalmente a população idosa, a sarcopenia é capaz de comprometer a função muscular, massa e níveis de força do paciente. A medida que essas consequências passaram a se tornar mais conhecidas, a relevância clínica da sarcopenia também aumentou. Assim, pode-se dizer que seu diagnóstico é um fator chave nos desfechos negativos que levam ao declínio funcional de uma pessoa idosa (como a fragilidade, queda e hospitalização).

Já são conhecidos diversos métodos para a realização do reconhecimento da sarcopenia e que até mesmo acompanham seus processos deletérios, por exemplo a ultrassonografia, bioimpedância elétrica, ressonância magnética. Entretanto a falta de acesso e os custos dos equipamentos comprometem a utilização dessas ferramentas, por isso é fundamental a busca por métodos alternativos para diagnosticar e classificar precocemente a sarcopenia.

O questionário SARC-F é uma das diretrizes que têm sido elaborada como uma forma de rastreio, diagnóstico e gerenciamento da síndrome. Ele é composto por 5 questões que indicam uma diminuição no desempenho físico sobre a força, caminhada, levantar de uma cadeira, subir escadas e quedas.

Publicado neste ano, um estudo avaliou a sensibilidade e especificidade do instrumento de rastreio da sarcopenia, o SARC-F (tabela 1). O questionário foi aplicado em uma amostra de 153 idosos de ambos os sexos a fim de avaliar esse screening da sarcopenia e, para diagnóstico da doença utilizou-se o protocolo do European Working Group on Sarcopenia in Older People (EWGSOP) adaptado.

Tabela 1. Simple five-item questionnaire (SARC-F), adaptado de Reis et al., 2020.

Componente Pergunta Pontuação
Força O quanto de dificuldade você tem para levantar e carregar 5 kg? Nenhuma = 0

Alguma = 1

Muita, ou não consegue = 2

Ajuda para caminhar O quanto de dificuldade você tem para atravessar um cômodo? Nenhuma = 0

Alguma = 1

Muita, ou não consegue = 2

Levantar da cadeira O quanto de dificuldade você tem para levantar de uma cama ou cadeira? Nenhuma = 0

Alguma = 1

Muita, usa apoios, ou incapaz = 2

Subir escadas O quanto de dificuldade você tem para subir um lance de escada de 10 degraus? Nenhuma = 0

Alguma = 1

Muita, ou não consegue sem ajuda = 2

Quedas Quantas vezes você caiu no último ano? Nenhuma = 0

1-3 quedas = 1

4 ou mais quedas = 2

*Ponto de referência utilizado para sarcopenia foi de uma soma ≥ 4.

Os resultados desse estudo apresentaram que o SCAR-F foi capaz de rastrear 36 participantes com sarcopenia, o que indica uma prevalência de 23,5%. Já os critérios de EWGOSP diagnosticaram 21 deles (prevalência de 13,7%). Isso significa que o estudo obteve uma sensibilidade de 60% e especificidade de quase 81%, com uma área sobre a curva (AUC) de 0,70 (ou seja, apresenta boa detectabilidade do instrumento).

Por ter questões auto referidas, os pacientes podem omitir informações durante a aplicação do SCAR-F, para serem classificados com saúde muscular melhor do que realmente apresentam, além de que os resultados podem ser afetados por dificuldades cognitivas. Contudo, vários estudos analisados também apresentaram alta especificidade e sensibilidade, além de que se trata de um instrumento aplicável a todos os níveis de atenção à saúde, desde atenção básica até a chamada atenção quaternária.

Esse questionário é uma ferramenta simples e eficaz e, por ser de fácil aplicação, é uma opção fundamental com relação à sua aplicação na saúde pública, podendo ser usada na falta de instrumentos mais complexos de diagnóstico. O SCAR-F ainda possibilita a elaboração de prevenção e reabilitação, ou seja, oferece potenciais benefícios à saúde do idoso.

Para melhorar o SCAR-F, é sugerido sua utilização em conjunto com a circunferência da panturrilha (CC). Em um dos artigos estudados foi possível perceber um aumento de cerca de 30% na sensibilidade quando utilizado SCAR-F e CC.

 O estudo encontrou boa sensibilidade e especificidade no SARC-F e concluiu que esse instrumento é uma técnica reprodutível e confiável para rastreio da sarcopenia, sendo considerada uma utilidade clínica potencial e que pode ser utilizada como triagem rápida.

REFERÊNCIA

REIS, Natália Rodrigues dos et al. Sensitivity and specificity of SARC-F in the classification of sarcopenia in the elderly: preliminary results. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercício, [s. l.], v. 19, n. 4, p. 258-266, 31 ago. 2020. Atlantica Editora. http://dx.doi.org/10.33233/rbfex.v19i4.3895. Disponível em: http://www.portalatlanticaeditora.com.br/index.php/revistafisiologia/article/view/3895. Acesso em: 23 out. 2020.

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *