Alimentos Funcionais na Prevenção do Câncer de Mama

 

 

O câncer de mama é uma das maiores causas de morbi-mortalidade em todo o mundo e, no Brasil apresenta-se como a neoplasia maligna mais incidente entre mulheres. Diversos esforços vêm sendo realizados a fim de identificar os determinantes do câncer de mama, assim como os fatores protetores, e a abordagem terapêutica adequada

 

A gênese e progressão do câncer de mama estão extremamente relacionadas a hábitos alimentares, consumo de gorduras, carnes, produtos lácteos, frutas, vegetais, fibras, fitoestrógenos, e outros. Para tal, estudos vêm sendo realizados para a adesão dos chamados alimentos funcionais como auxílio na prevenção do câncer de mama. A determinação de um alimento funcional, tais como: exercer ação metabólica ou fisiológica que contribua para a saúde física e para a diminuição de morbidades crônicas; integrar a alimentação usual; os efeitos positivos devem ser obtidos em quantidades não tóxicas, perdurando mesmo após suspensão de sua ingestão.

 

Os agentes quimiopreventivos encontrados nos alimentos funcionais podem ser utilizados objetivando um potente efeito preventivo, com múltiplos mecanismos de ação, bloqueando a carcinogênese. Na abordagem ao câncer de mama merecem destaque os ácidos graxos poliinsaturado ômega 3 (n-3) e linoléico conjugado, as fibras, algumas vitaminas e minerais, e os fitoquímicos.

 

Considerando a variação entre o consumo de alimentos fontes de gordura entre os diversos países, nota-se uma tendência à redução das taxas de incidência de neoplasia mamária  e inibindo a formação do câncer de mama, assim como as metástase naqueles cujo consumo de fontes de n-3, em especial, o óleo de peixe.

 

Os possíveis mecanismos responsáveis pela inibição da carcinogênese pelo CLA (Ácido Linoléico Conjugado) incluem: a redução da proliferação celular, alteração nos componentes do ciclo celular, e mediação na inibição da apoptose. Além disso, o CLA modula marcadores do sistema imune e a formação de eicosanóides, atuando no metabolismo lipídico e na expressão genético, atuando como possível mediador da tumorigênese mamária.

 

Estudos epidemiológicos demostraram que mulheres com uma dieta rica em frutas e vegetais têm um risco reduzido de desenvolverem câncer de mama, uma das ações das vitaminas e minerais é a defesa contra as espécies reativas de oxigênio, que são responsáveis por danos ao DNA, regulação da diferenciação celular e, conseqüentemente, inibição do crescimento de células mamárias cancerígenas.

 

A quimioprevenção por meio dos fitoquímicos presentes na alimentação comporta a diversos componentes dietéticos. Considerando os fitoquímicos relacionados à neoplasia mamária, os fitoestrógenos, que são compostos fenólicos heterocíclicos similares aos estrogênios naturais e sintéticos com propriedades tanto estrogênicas quanto antiestrogênicas são os mais cotados, sendo as isoflavonas e as lignanas seus maiores representantes.  Prováveis mecanismos anticarcinogênicos vêm sendo investigados, como a inibição das topoisomerases, regulação da progressão, diferenciação e apoptose do ciclo celular, inibição da angiogênese e modulação do metabolismo, atuando como antioxidantes e inibidores do metabolismo de carcinógenos

 

A relação dos fatores dietéticos com o câncer de mama, e seus possíveis papéis como causadores e facilitadores deste tipo de neoplasia são amplamente reconhecidos. A quimioprevenção através dos alimentos funcionais emerge como um importante instrumento na prevenção e controle do câncer de mama, sugerindo mecanismos de ação anticarcinogênicos, antioxidantes, antiinflamatórios, anti-hormonais, antiangiogênicos, dentre outros.

 

A adoção de uma dieta saudável e variada, rica em vegetais, frutas, grãos integrais, e em excesso de gordura saturada, que ofereçam componentes alimentares com possível efeito benéfico na prevenção e na redução do risco de recorrência da neoplasia mamária.
Referência: INCA, O Papel dos Alimentos Funcionais na Prevenção e Controle do Câncer de Mama. Disponível <http://www.inca.gov.br/rbc/n_50/v03/pdf/REVISAO3.pdf>

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *