Agrotóxicos e o impacto na camada de ozônio

O ozônio é artificialmente destruído pela presença de substâncias químicas que contém átomos de cloro (Cl), flúor (F) ou bromo (Br), e são chamadas de substâncias halogenadas. Mas um detalhe é importante, não são reativos e não são removidos rapidamente pela chuva/neve, permanecendo na baixa atmosfera ao longo dos anos e, ao subirem até a estratosfera, sofrem a ação da radiação ultravioleta, que libera radicais livres destruindo de forma catalítica as moléculas de ozônio e provocando a diminuição da Camada de Ozônio e diminuindo a filtração dos raios UV.

o Brometo de Metila esta Entre as substâncias que destoem a camada de ozônio ele é um Agrotóxico gasoso usado em controle fitossanitário de vegetais e em tratamentos de solos, elimina insetos, fungos, bactérias, ervas daninhas e qualquer ser vivo, a fim de evitar que pragas e doenças se disseminem na exportação ou importação de produtos, pode servir Também para desinfetar solos sendo tóxico e prejudicial à saúde e está classificado na faixa mais perigosa de agrotóxicos.

Existem substâncias que podem realizar as mesmas funções não contendo elementos como o cloro, flúor e o bromo. Nos países desenvolvidos, há possibilidade de migração para os fluidos naturais, como o NH3 (amônia), CO2 (dióxido de carbono), água e hidrocarbonetos, mas é necessário ter cautela ao utilizar novas substâncias para que não ocorra a destruição da camada de ozônio e consequentemente não contribuam para o aquecimento global.

Fonte: Ministério do meio ambiente. Proteção da Camada de Ozônio. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/clima/protecao-da-camada-de-ozonio>. Acesso em: 13 set. 2017.

Leticia Ramos
Estagiária de Nutrição

Silvia Ramos
Nutricionista CRN3/10908

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *