O uso de EPIs: Falta equipamento ou conscientização?

A segurança do trabalho atua na prevenção de acidentes e incidentes, melhorando a qualidade de vida dos colaboradores de uma empresa. O estado de bem estar completo, com equilíbrio físico, mental e social, garante ao indivíduo condições favoráveis para o seu desempenho ao longo da jornada de trabalho.
Entretanto, os riscos estão presentes e, dentro de uma cozinha industrial por exemplo podem ser descritos como físicos, abrangendo trocas de temperaturas bruscas, umidade, choques, cortes; químicos, onde entram os produtos no geral, como por exemplo os removedores; biológicos, que estão relacionados às contaminações por microrganismos; e ergonômicos, que são aqueles que envolvem esforço físico intenso, posturas incorretas e ritmos excessivos.
O trabalho do gestor de uma unidade de alimentação e nutrição deve ser focada na prevenção. Desta forma, a maior parte dos acidentes podem ser evitados com o uso correto de equipamentos de proteção individual (EPIs) e com a aplicação periódica de treinamentos para os colaboradores. É importante ressaltar que é de responsabilidade da empresa o fornecimento desses equipamentos aos seus colaboradores, assim como a garantia de sua manutenção, conforme NR6 da Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. (1).
Abreu e Cols, em 2011 realizaram pesquisa no Sudoeste do Paraná, onde foi observado o uso/desuso dos EPI’s, a partir de um formulário elaborado pelas pesquisadoras, com base no programa de prevenção de riscos ambientais (PPRA) da unidade. Observou-se que as colaboradoras não usavam luva de malha de aço, assim como a luva térmica que não foram utilizadas para lavar cubas e manusear frituras, cocção em caldeirões e ao levantar panelas pesadas (quando realizado na unidade). Somente é utilizada para colocar alimento no interior do forno. Denotou-se que as colaboradoras não se apropriavam da importância do uso do EPI’s. Não haviam registros de treinamentos periódicos, e, durante a coleta de dados, três colaboradoras apresentaram acidente de trabalho, dentre eles, duas colaboradoras tiveram queimadura nos braços no preparo de frituras, e a terceira, obteve corte na mão em pré-preparo de frutas, ambos os casos por não utilizarem os EPI’s.(3)
Fica claro que o uso adequado dos equipamentos de segurança, atua na prevenção de acidentes, assim como auxilia no bem estar dos colaboradores durante o expediente. Porém, poucas pesquisas são realizadas no Brasil sobre este assunto, trazendo escassez de referências para todos os profissionais envolvidos neste seguimento. Todas as UANs precisam de uma capacitação contínua de toda a equipe, para garantir que os equipamentos necessários estejam disponíveis e sejam usados de forma correta.
No curso de Pós-graduação em Vigilância Sanitária de Alimentos e Gestão de Pessoas do Insira Educacional, o Engenheiro de Segurança do Trabalho Profa. Dr. Fernando Duque ministra a disciplina totalmente com o foco da segurança do trabalho em cozinhas. Saiba mais em….

Fontes:
(1) BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora NR 6: dispõe sobre Equipamentos de Proteção Individual (EPI). Portaria GM n.º 3.214, de 08 de junho de 1978. Disponível em: Acesso em: 12 março. 2018.
(2) ABREU, E. S.A ; SPINELLI, M.G.N.; PINTO, A.M. S. Gestão de unidade de alimentação e nutrição: um modo de fazer- 4º ed.- São Paulo: Editora Metha, 2011.
(3) FERREIRA, M. Áline et al. Segurança no trabalho: o uso efetivo dos epi’s pelos colaboradores em uma uan de um município do sudoeste do paraná. Rev. Simbio-Logias, V. 8, n. 11, Dez/2015. Disponível em < http://goo.gl/XH5yKG>. Acesso em 12 de março de 2018.

Adriana Loiola

Estagiária em Nutrição

Silvia Ramos

Nutricionista- CRN3/10908

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *