Eixo microbiota-intestino-cerebral: modulador do metabolismo e apetite do hospedeiro

O intestino abriga uma enorme diversidade de microrganismos que são essenciais para a manutenção da homeostase em saúde e doença. Um crescente número de evidências apoia o papel desta microbiota na influência do apetite do hospedeiro e da ingestão da alimentar. Espécies individuais dentro da microbiota intestinal estão sob pressão seletiva, decorrentes de nutrientes disponíveis e outras espécies bacterianas presentes. Cada espécie bacteriana dentro do intestino tem como objetivo aumentar sua própria aptidão, habitat e sobrevivência através de fermentação específica de nutrientes dietéticos e secreção de metabolitos, muitos dos quais podem influenciar o apetite do hospedeiro e o comportamento alimentar, afetando diretamente a sensação  apetite e sistemas de regulação da saciedade. O que incluem os neuro-ativos produzidos por microbiota e ácidos graxos de cadeia curta. Além disso, a microbiota intestinal é capaz de manipular a função da barreira intestinal, interagir com o metabolismo dos ácidos biliares, modular o sistema imunológico e influenciar a produção do antígeno hospedeiro, afetando indiretamente o comportamento alimentar. Evidências indicam que há um papel crucial para a microbiota na regulação de diferentes aspectos do comportamento alimentar, bem como comportamentais e as comorbidades de comer e distúrbios metabólicos. A importância da composição da microbiota intestinal tem sido agora demonstrada na obesidade, anorexia nervosa e formas de desnutrição aguda grave. Compreender os mecanismos nos quais a microbiota intestinal pode influenciar o apetite e o metabolismo do hospedeiro proporcionará uma melhor compreensão das condições em que o apetite é desregulado, como a obesidade e outros transtornos metabólicos ou alimentares, levando a novas estratégias bioterapêuticas.

Leia  o artigo na íntegra aqui: 10.3945@jn.116.240481

 

Referência

WOUW, Marcel van de et al. Microbiota-Gut-Brain Axis: Modulator of Host Metabolism and Appetite. The Journal Of Nutrition, Rockville, p.1-19, maio 2017. Disponível em: Acesso em: 15 maio 2017.

Sem comentários.

Escreva um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *